Em destaque: "Olho de Gato" de Margaret Atwood

«O tempo não é uma linha, e sim uma dimensão. Não se olha para trás ao longo do tempo, olha-se para baixo, através dele, como quem olha através da água. Às vezes, vem isto à superfície, de outras vezes, aquilo, por vezes, nada. Nada se vai embora.» 

Sinopse:
A primeira retrospetiva da sua obra proporciona a Elaine Risley, uma artista envolta numa aura de polémica, um reencontro com a geografia física e humana da sua infância e juventude, numa Toronto que não reconhece, e insta-a a explorar os caminhos delicados da memória e da forja da sua personalidade. Através de descrições vívidas de obras de arte, do poder da evocação dos episódios retrospetivos e da presença do toque de um pincel autobiográfico, Margaret Atwood oferece-nos um romance de formação magnífico, no qual um berlinde olho de gato gira e volta a girar num equilíbrio tão precário como a vida de uma mulher — que um dia foi criança. Perturbador, se bem que não isento de humor, íntimo e mordaz, Olho de Gato revela uma escritora em permanente estado de graça.

Críticas de imprensa:
«Olho de Gato não é, enfim, apenas sobre a memória, nem é o relato de uma vida particular. É um romance de imagens, recortes de pesadelo, evocativos, duros e mundanos, que, no seu conjunto, nos oferecem não uma retrospetiva, mas um acrescento: uma obra inteiramente nova e a ficção mais emocionalmente envolvente de Margaret Atwood.» The New York Times

«Olho de Gato é, em grande medida, uma meditação sobre o envelhecimento e a forma como altera a nossa relação com as pessoas, os lugares e o passado. Atwood, como sempre, revela-se uma observadora perspicaz e estimulante.» The Guardian

Sobre a autora:
Margaret Atwood nasceu em Otava, em 1939. É uma das mais celebradas autoras canadianas, senão a melhor, e, além de A História de Uma Serva – agora uma série de televisão multipremiada –, publicou mais de quarenta livros de ficção, poesia e ensaio. Recebeu diversos prémios literários ao longo da sua carreira, incluindo o Arthur C. Clarke, o Booker Prize (em duas ocasiões, por O Assassino Cego, em 2000, e por Os Testamentos, em 2019), o Prémio Príncipe das Astúrias para a Literatura, o Pen Center USA Lifetime Achievement Award e o Prémio da Paz dos Editores e Livreiros Alemães. Foi ainda agraciada com o título de Chevalier da Ordem das Artes e das Letras de França e com a Cruz de Oficial da Ordem de Mérito da República Federal da Alemanha. Uma das mais ativas vozes do feminismo moderno, na ficção e na não ficção, está traduzida para trinta e cinco línguas. Vive em Toronto.
Margaret Atwood recebeu, em 2022, o título de Doutora Honoris Causa, atribuído pela Universidade do Porto pela «extraordinária qualidade da sua obra literária, a importância da sua reflexão intelectual e a pertinência do seu combate público por uma sociedade mais justa, digna e sustentável.»
Em www.bertrand.pt

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Marcador

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Saída de Emergência

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)