Em destaque: "As Mulheres do Coro de Chilbury" de Jennifer Ryan;

Uma história de sobrevivência durante a Segunda Guerra Mundial

Sinopse:
Kent, 1940. Chilbury, uma idílica povoação inglesa, vê os seus homens - maridos, filhos, irmãos - partirem para a guerra. Entregues a si próprias, as mulheres da aldeia confrontam-se com uma outra batalha: salvar o coro local que o pároco decidiu encerrar, para, através do canto, desafiarem o grande conflito que se trava na Europa. e com esse objetivo juntam-se à carismática Miss Primrose Trent, professora de música recém-chegada a Chilbury.

Entre elas, destacam-se Mrs. Tilling, uma viúva tímida; Venetia, a sedutora da aldeia; Silvie, a jovem refugiada judia; Edwina, uma parteira pouco escrupulosa que procura fugir de um passado sórdido. Bisbilhotices, ciúmes, medos, angústias, amores secretos marcam este romance inspirador e profundamente comovente que explora o modo como uma pequena comunidade consegue enfrentar as vicissitudes e os horrores de uma guerra violenta e destruidora. 

Entre risos e lágrimas, e inspirando-se nas prodigiosas histórias que lhe contava a avó, que viveu no período da 2ª Guerra Mundial, numa pequena aldeia de Kent, Jennifer Ryan explora as almas deste coro que nenhum leitor jamais irá esquecer. 

Um pequeno tesouro, inteligente e com um humor tipicamente britânico.


Sobre a autora:
Jennifer Ryan cresceu no condado de Kent, Reino Unido. uma apaixonada pela temática da Segunda Guerra Mundial, tendo sido editora de obras de não-ficção nos Estados Unidos da América. Com direitos vendidos para 14 países, As Mulheres do Coro de Chillbury, o seu primeiro romance, o qual foi considerado o Melhor Livro de Estreia pela Goodreads. Muitas das histórias das personagens nele retratadas são baseadas em factos reais , que Jennifer Ryan descobriu através de uma extensa pesquisa e dos relatos da sua avó.

Em destaque: “A Casa à Beira da Noite” de Catherine Banner

No Mediterrâneo, entre a Sicília e o Norte de África, encontra-se uma ilha caída no esquecimento... mas não o suficiente para fugir aos problemas do mundo.

Sinopse:
Amedeo Esposito, um jovem oriundo de Florença, aparece para ocupar o posto médico em Castellamare, uma ilha banhada pelas ondas e onde o tempo parou. Embora profissional e sério, Amedeo cede ao feitiço da ilha e deixa-se encantar por um bar decrépito chamado A Casa à Beira da Noite, tido como amaldiçoado pelos locais. Mas Amedeo decide comprá-lo e devolver-lhe a vida e o esplendor de outrora.

Rodeado pelo som do mar e o aroma das buganvílias, o bar torna--se a casa de Amedeo e da sua mulher, Pina, e o ponto de encontro para as conversas e mexericos dos habitantes. O papel do bar é tão importante, que, detrás do seu balcão, as várias gerações da família Esposito se tornam testemunhas de quase um século de História que marcará os ilhéus.

Neste belo e assombroso romance, o povo de Castellamare é o personagem principal e as suas histórias são o maravilhoso mosaico que confere mais vida à ilha.

«Ler A Casa à Beira da Noite é como tropeçar num mundo fantástico onde o tempo parou, mas onde a mudança ocorre, mesmo assim, a um ritmo estonteante.» - Star-Tribune

Sobre a autora:
Catherine Banner é uma autora britânica natural de Cambridge. Nascida em 1989, começou a escrever aos 14 anos.
Estudou Inglês no Fitzwilliam College, em Cambridge, antes de se mudar para Durham, onde trabalhou como professora do ensino secundário. Depois de ter publicado uma trilogia de romances Young Adult — The Last Descendants —, fez a sua estreia na ficção adulta com A Casa à Beira da Noite. Atualmente, vive com o marido em Turim, Itália.

Em destaque: "A Menina que Roubava Morangos - Série Chocolate" de Joanne Harris

Sinopse:
O coração de Vianne Rocher, a encantadora e inquieta maga do chocolate, parece ter finalmente serenado. A vila de Lansquenet-sous-Tannes, que em tempos a rejeitou, é agora o seu lar. Com a filha mais velha, Anouk, a viver em Paris, Vianne dedica-se por inteiro à chocolaterie e a Rosette, a filha mais nova, a sua menina "especial". A acompanhá-las estão os seus amigos do rio, os extravagantes vizinhos, e o circunspecto padre Reynaud. Mas o vento, quando sopra, traz sempre mudanças… E estas começam com a morte de Narcisse, o temperamental florista. A vila fica em alvoroço pois Narcisse deixa não só uma surpreendente herança a Rosette, mas também uma inesperada confissão.

Nada voltará a ser como dantes. E quando uma loja nova abre onde antes se dispunham as magníficas flores de Narcisse, tudo parece um prenúncio de algo: um confronto, alguma turbulência, ou talvez até… um crime? Conseguirá Vianne impedir que o vento leve tudo o que lhe é mais querido?

Há magia no ar. Há luz e sombra. Vingança e amor. Vinte anos depois da publicação de Chocolate, Joanne Harris regressa à pitoresca vila francesa num romance sobre a força do passado, o poder da memória e a aceitação das marcas que a vida deixa em nós.

Sobre a autora:
Joanne Harris nasceu no Yorkshire, de mãe francesa e pai inglês. Estudou Línguas Modernas e Medievais em Cambridge e foi professora durante quinze anos, mas a escrita é a sua verdadeira paixão. Do romance tradicional ao de fantasia, dos livros de culinária a argumentos para séries de TV ou teatro, Joanne Harris está feliz desde que esteja a escrever. A sua obra está atualmente publicada em quarenta países e foi galardoada com inúmeros prémios literários internacionais. Todos os seus livros integram o catálogo da ASA. Joanne Harris vive com o marido, Kevin, num pequeno bosque a cerca de vinte quilómetros do sítio onde nasceu.

Ler... É isto.


Em destaque: “Deixa-me Mentir” de Clare Mackintosh


Para a polícia foi suicídio.
Para Anna foi homicídio.
Ambos estão errados.

Sinopse:
Depois do seu pai e da sua mãe terem acabado com as próprias vidas de maneira muito parecida, em dois suicídios brutais e com intervalo de apenas alguns meses, Anna está a tentar virar a página do passado trágico da sua família e recomeçar a sua vida. 

O novo namorado e o filho vieram para trazer à Anna alguns sorrisos no meio do caos. Mas, mesmo com todo o seu esforço para superar os seus traumas e se entregar aos novos começos, o seu passado de repente volta à tona trazendo ainda mais dor e devastação.
No primeiro aniversário da morte da sua mãe, Anna recebe um bilhete anónimo e perturbador: Suicídio? Pensa melhor. Será possível que alguém poderia ser cruel ao ponto de fazer uma brincadeira dessas? Ou de facto existe algo por trás do suposto suicídio de seus pais?

No fundo, Anna nunca entendeu como eles tinham sido capazes de tirar as suas próprias vidas de maneira tão cruel.

Deixa-me Mentir tem o ritmo lancinante que é a marca de Clare Mackintosh. Carregado de reviravoltas, deixa qualquer um em estado de choque da primeira à última página.

Sobre a autora:
Clare Mackintosh trabalhou doze anos na polícia, alguns deles, inclusive, no Departamento de Investigação Criminal. Em 2011, deixou a carreira na polícia para ser jornalista freelancer, escrevendo para publicações como o jornal The Guardian. Criadora do festival literário de Chipping Norton, atualmente dedica-se em tempo integral à carreira de escritora e vive em Cotswolds, na Inglaterra, com o marido e seus três filhos.

O seu livro de estreia, tornou-se best-seller do The Sunday Times e do The New York Times. Deixa-me Mentir é o terceiro livro da autora.

Em destaque: "As Filhas da Floresta" de Alaitz Leceaga

Duas irmãs. 
Uma maldição.

Sinopse:
Numa mansão fustigada pelas ondas...
Duas irmãs gémeas, Estrella e Alma, levam uma vida privilegiada como filhas dos marqueses de Zuloaga. Crescem rodeadas de festas e luxos, mas estão fatalmente marcadas por um poderoso mistério.
As duas irmãs desafiam o destino...
Pois as gémeas – tão idênticas que só através dos olhos se distinguem – não são como as outras raparigas. Ambas herdaram um extraordinário dom que passa de geração em geração entre as mulheres da família...
E vivem à sombra de uma maldição que dita que uma delas morrerá antes de completar quinze anos.
Unidas pelo sangue e separadas pelo amor a um homem, Estrella e Alma cumprirão a profecia. A floresta – que guarda nas suas profundezas o segredo das irmãs – será também testemunha do derradeiro ato de paixão e vingança de uma delas.    
Uma história plena de magia e mistério. Uma protagonista inesquecível, indiferente aos perigos e corajosa perante as convenções sociais. Desde a infância nos anos vinte aos meandros do poder nazi durante a II Guerra Mundial, de Espanha aos Estados Unidos, passando por Inglaterra, vamos acompanhar esta mulher admirável na sua luta para defender o legado que lhe faz parte do sangue.

Sobre a autora:
Alaitz Leceaga nasceu em Bilbau em 1982, e foi sempre apaixonada por romances vitorianos e sagas de família. Lançou-se na escrita do seu primeiro romance depois de ter publicado online, com enorme sucesso, inúmeros contos e textos curtos, tanto em castelhano como em inglês. As Filhas da Floresta é o seu quinto romance, e tornou-se um fenómeno editorial antes mesmo de ser publicado. Os direitos foram já vendidos para vários países.

OPINIÃO: "Linhagem de Ouro" de Natasha Solomons

Neste livro, Natasha Solomons conta-nos a história de uma família de banqueiros, os Goldbaums. A história começa em 1911, quando esta família é uma das mais ricas da Europa, e cuja influência é tão grande quanto a sua fortuna. Com Casas espalhadas pelas cidades mais importantes da Europa, os Golbaums, apesar de judeus, movem-se habilmente em todos os círculos. E de forma a manterem unidos os laços que os envolvem, fazem casamentos entre casas. É então que conhecemos Greta, a filha casadoira da Casa da Áustria prestes a casar com o seu primo Albert, da Casa de Inglaterra.

Após esta introdução sobre a família Goldbaum, a autora começa então a introduzir os detalhes sobre a relação entre Albert e Greta, e da habituação desta à vida e aos costumes em Inglaterra. Simultaneamente, vai-nos relatando a evolução politico-económica na Europa até ao culminar, poucos anos depois, da crise com o começo da I Guerra Mundial.

A narrativa passa então a centrar-se em três frentes: uma, a de Greta em Inglaterra e como acaba por contribuir para o esforço de guerra; outra a de Otto e Henri (irmão e primo de Greta) que de repente se vêem envolvidos na própria guerra, embora como oficiais; e finalmente Albert, igualmente envolvido no quadro de guerra, mas depois enviado como representante para os EUA, tentando conseguir a sua colaboração económica, de forma a custearem o conflito. 
"O objetivo de fazer uma guerra, e de preparar uma guerra, é ganhar dinheiro."

Este romance é muito interessante pela história da família Goldbaum (ao que parece inspirada na família Rothschilds), mas igualmente pela conjuntura apresentada, e ao fim e ao cabo, a história do dinheiro que rodeia qualquer conflito entre países. “O dinheiro não tem passaporte e tem todos os passaportes (...) Não respeita fronteiras. Tal como a água, o dinheiro abre o seu próprio caminho."

É um livro muito interessante que poderia facilmente ter-se tornado aborrecido, com tanto facto e informação. No entanto, a autora soube habilmente pontuar os dados verídicos com algum romance, incluindo a fabulosa personagem de Greta e a sua paixão adquirida pela jardinagem. Muito bom!

Em destaque: "Tudo o que Não Dissemos" de Nick Alexander

Amámos tanto. Vivemos tanto. Mas não dissemos tudo…

Sinopse:
Ela amou-o como ninguém.
Mas só agora lhe revela os seus segredos... 
Catherine, o grande amor de Sean, acaba de morrer. Mas a história de ambos não termina aqui. Ganha, sim, um novo rumo pois Catherine deixa a Sean um legado surpreendente: uma caixa embrulhada em papel castanho e atada com um cordel. Essa caixa contém a vida que partilharam. Todo um universo íntimo, intenso, inesquecível. E secreto, pois há partes que Sean não reconhece…

Catherine está a abrir finalmente o seu coração ao marido e a revelar tudo o que ficou por dizer. E muito ficou por dizer. 
Mas, por mais desconcertante que possa ser esta "nova" história, Sean mergulha nela de alma e coração. Sem vacilar, sem nunca perder a esperança de confirmar as suas suspeitas de que o Destino existe… e que o amor de ambos não foi apenas o resultado do acaso.

E quando, por fim, Sean cede e questiona a sua fé no poder superior do Amor, algo - talvez o Destino em que Catherine não acreditava - lhe dá a resposta por que sempre ansiou. 
Dilacerante e redentor, Tudo o que Não Dissemos apresenta aos leitores portugueses o magnífico contador de histórias que é Nick Alexander.


Sobre o autor:
Nick Alexander nasceu em 1964 no Reino Unido. Viajou muito, e já viveu e trabalhou no Reino Unido, nos Estados Unidos e em França, onde reside atualmente. Tudo o que Não Dissemos é a sua décima quarta obra de ficção. O seu romance de 2015, The Other Son, foi nomeado pela Amazon um dos melhores títulos de ficção do ano; The Photographer’s Wife, publicado em 2014, encabeçou as tabelas de vendas no Reino Unido e em França, enquanto The Half-Life of Hannah é o quarto título independente mais vendido para Kindle desde sempre. Os romances de Nick estão traduzidos para francês, alemão, italiano, espanhol, norueguês, turco, croata e português. Nick vive atualmente nos Alpes franceses.

Um excelente thriller!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

Uma leitura magnífica.

Tirem as dúvidas. E riam-se com a loucura de Alvie Knightly!

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)