"As Vinhas de la Templanza" de Maria Dueñas (OPINIÃO)


Quando lemos um livro que nos encanta e algum tempo depois pegamos num outro livro do mesmo autor, é impossível não criar expectativas. Já me aconteceu isso várias vezes, e claro, senti-me sempre defraudada. Ou porque as expectativas eram demasiado altas ou porque me impediram de apreciar a nova história condignamente. No caso de Maria Dueñas, autora do livro O Tempo Entre Costuras, e este seu novo livro editado recentemente pela Porto Editora, As Vinhas de La Templanza, acho que consegui distanciar-me o suficiente para o apreciar.

São livros diferentes, histórias bem diferentes, passadas em épocas e lugares distintos, para além do que, ao contrário do O Tempo Entre Costuras, neste As Vinhas de La Templanza a personagem principal é um homem, o que, a meu ver, transforma tudo. Mas está escrito no mesmo tom, com a mesma clareza característica desta autora e que muito me agrada.

Mauro Larrea é um homem rude habituado a triunfar em tudo a que se propõe graças à sua determinação e perseverança. Viúvo desde cedo, tem dois filhos e está prestes a ser avô pela primeira vez. Mauro fez a sua fortuna nas minas e não se envergonha do seu passado de trabalhador manual, bem pelo contrário, orgulha-se dele e sabe movimentar-se nos mais variados círculos, sendo admirado por muitos e invejado por outros. Num inesperado revés tudo o que conquistou até então fica em perigo, e Mauro tem de partir em busca de solução para o seu problema de insolvência.

Da recém república do México partimos com Mauro rumo a uma Havana colonial, exuberante e fervilhante onde ele se vê envolvido em esquemas que não lhe agradam e de onde emerge rumo a Espanha, com uma herança inesperada. Aí, em Jerez de La Frontera - região onde é produzido o xerez, bebida tão apreciada pelos ingleses – Mauro conhece finalmente alguém ao seu nível, que o irá desafiar e envolver, alterando por completo o rumo da sua vida. Soledad Montalvo é, na minha opinião, uma personagem extraordinária que merecia um livro só sobre a sua história.

Este é um romance extraordinário, bastante completo e rico em pormenores históricos dos locais onde se desenrola a ação. Bem diferente do outro livro da autora, que por sinal também adorei ler, este As Vinhas de La Templanza merece sem dúvida as minhas 8 estrelas. Apesar de parecer um pouco maçudo nos primeiros capítulos, desengane-se a quem lhe passe pela cabeça desistir. É por causa do envolvimento histórico que a autora tem de debitar e que é verdadeiramente necessário para que entendamos a história de Mauro. Mas assim que a ação começa a acelerar, entramos num ritmo de leitura mais agradável e dificilmente conseguimos pousar o livro.

Apaixonei-me por esta história e dificilmente esquecerei as aventuras de Mauro e Soledad.
Muitíssimo bom! Recomendo sem hesitações.

Para mais informações sobre o livro podem espreitar a página do mesmo no site da Porto Editora e  até começar a ler os primeiros capítulos.

Em destaque: "No Amor e na Guerra" de Liz Trenow



Três mulheres separadas pela guerra... mas unidas pelo mais puro amor.
Um romance histórico emocionante e inspirador sobre três mulheres que procuram dar sentido à vida depois da guerra.

Sinopse:
Em 1919, após o fim da Primeira Guerra Mundial, começam a ser organizadas excursões aos campos de batalha da Flandres, levando milhares de pessoas a visitar aquela área devastada pela guerra onde inúmeros homens lutaram e perderam a vida. Este negócio turístico é controverso, mas muitos são os que ainda têm esperança de encontrar os seus entes queridos, dados como desaparecidos.

É neste contexto que o destino de três mulheres se cruza. Ruby é uma jovem inglesa que mantém acesa a esperança de encontrar o marido. Alice, de nacionalidade norte-americana, atravessa o oceano determinada a voltar a ver o irmão, que acredita estar vivo. Já Martha é uma alemã que reza para conseguir encontrar a campa do filho mais velho e prestar-lhe uma última homenagem.

Estas três mulheres, com histórias de vida diferentes, procuram reconciliar-se consigo próprias depois do que a guerra lhes tirou, e juntas tentam encarar o futuro com a esperança renovada.

«O pós-guerra pode ser absolutamente terrível. Esta história terna concentra-se no lado positivo desse período, sem ignorar a destruição e a dor de um conflito épico.» -Daily Mail

Sobre a autora:
Liz Trenow é uma autora bestseller do New York Times, tendo os seus livros sido traduzidos para múltiplas línguas. Foi jornalista e trabalhou durante 15 anos em jornais regionais e nacionais, na rádio BBC e em televisão, antes de se dedicar à escrita de ficção. Vive no Reino Unido com o marido e as duas filhas. 
Saiba mais sobre a autora: www.liztrenow.com

Em destaque: "A Ilha dos Segredos" de Nadia Marks

Um livro para ver, viajar e sonhar

Sinopse:
Muitas vezes, a vida corre ao contrário do planeado. Anna sabe-o melhor do que ninguém. Por isso, a viagem até à ilha onde estão as suas raízes promete dar-lhe a força de que tanto precisa. Na Grécia, Anna irá enfrentar a história desconhecida da sua família e descobrir mistérios enterrados há mais de cinquenta anos. Nessa ilha paradisíaca do mar Egeu e à sombra dos limoeiros da casa de família, Anna irá confrontar-se com segredos dolorosos,  histórias antigas e sensações adormecidas.

À medida que recupera os cheiros e os sabores da meninice, fica a conhecer a história do amor proibido entre a tia Ourania e o pai, antes de este se apaixonar pela mãe, Rosaria, filha de uma prostituta que vivia sob os tentáculos da Camorra. Através das cartas descobertas no fundo de velho baú, e pela boca do próprio pai, Anna vê-se, de súbito, transportada aos dias da Segunda Guerra Mundial.

A Ilha dos Segredos é um romance sobre como o passado, o afeto pelos outros e a liberdade podem curar as feridas mais profundas.

O grego antigo tem quatro palavras distintas para amor: agápe, eros, philía e storgé. Poderá afinal existir mais uma?

Sobre a autora:
Nadia Marks nasceu no Chipre, mas foi criada em Londres. Ex-diretora criativa e editora associada em diversas revistas britânicas de destaque, é agora romancista e trabalha como escritora freelance para várias publicações nacionais e internacionais.

Em destaque: "António Variações" de Manuela Gonzaga

Entre Braga e Nova Iorque.

Sinopse:
António Joaquim Ribeiro, mais conhecido por António Variações, foi um dos músicos e cantores mais emblemáticos dos anos 80 e mudou o panorama musical português de forma incontornável, integrando referências europeias e nacionais e galgando géneros musicais e artísticos.

Nesta obra de pesquisa rigorosa, o primeiro e único trabalho biográfico realizado em Portugal acerca do artista, Manuela Gonzaga traça o percurso biográfico do cantor a par de um retrato do país entre as décadas de 40 a 80, do interior à capital, passando por Amesterdão e Nova Iorque.

Sobre a autora:

Escritora e ativista, Manuela Gonzaga tem uma marca muito forte no campo das biografias. A autora, que marca presença reconhecida na literatura juvenil, no romance, nos contos e até no ensaio, é natural do Porto. Aos 12 anos, com os pais, foi para Moçambique e depois para Angola, tendo passado em África parte da adolescência e a juventude. Foi ali que iniciou a sua atividade de jornalista, que abandonou em 2000 para se dedicar à escrita e investigação a tempo inteiro. Historiadora com o grau de mestre em História pela Universidade Nova de Lisboa, Manuela Gonzaga tem quatro filhos e três netos. O seu tempo é partilhado ainda com sete cães e um gato. Todos resgatados.

Podem começar a ler aqui as primeiras páginas.

Em destaque: “O Amor da Minha Vida” de Clare Empson


Sinopse:
CATHERINE deixou de falar. Algo a perturbou de tal forma que não consegue comunicar. Ninguém sabe o que foi. Para a ajudarem, os médicos terão de desvendar esse mistério. E começar pelo seu passado… por ele.

LUCIAN. O grande e único amor de Catherine, a quem ela abandonou uma noite, sem qualquer explicação, estilhaçando a vida de ambos. Anos depois, Catherine e Lucian voltam a encontrar-se. Tudo pode acontecer pois a paixão que os uniu mantém-se… mas sobre eles pesa ainda o segredo daquela noite fatídica. Catherine sabe que chegou o momento de o revelar. Será a verdade capaz de salvar este amor imenso que nem o tempo conseguiu esmorecer? Ou irá destruí-los de novo, arrastando-os irremediavelmente para o abismo?

O que acontece a seguir está na origem do silêncio de Catherine.
O que acontece a seguir… é a única coisa que ninguém podia prever.

Sobre a autora:
Clare Empson escrevia artigos para vários jornais ingleses até há oito anos, quando se mudou para o Sudoeste do país.
Nessa altura, começou o blogue de lifestyle e cultura countrycalling.co.uk.
Foi o cenário idílico que a rodeia o mote que inspirou o seu romance de estreia O Amor da Minha Vida.
Atualmente, Clare vive na fronteira entre os condados de Wiltshire e Dorset com o marido e os três filhos.

Em destaque: "Jogos de Raiva" de Rodrigo Guedes de Carvalho

Sinopse:
Um homem levanta a voz acima da algazarra de conversas. E pede que ponham mais alto o som do televisor do restaurante. É então que todos reparam no que ele vê. Não percebem ou não acreditam. E na rua, no bairro, na cidade, no país, homens, mulheres e crianças vão-se calando. Está por todo o lado, a imagem horrível e hipnotizante. O homem que pediu silêncio leva as mãos à cara e pensa: como chegámos aqui?

A era da comunicação global trouxe inimagináveis maravilhas. Partilhas imediatas de ensinamentos, denúncias e solidariedades. Mas permitiu também que saísse das cavernas uma realidade abjecta. Insultos, ameaças, ironias maldosas. Nunca, como hoje, a semente do ódio foi tão espalhada. 

É sobre este pano de fundo que se conta a história de uma família. Três gerações a olhar para um futuro embriagado num estado de guerra. Uma família que esconde, enquanto puder, um segredo. 
Jogos de Raiva traça duros retratos sem filtro sobre medos e remorsos, sobre o racismo, a depressão, a sexualidade, o jornalismo, a adopção, a arte e a amizade. E o poder das histórias. 
É sobre a urgência da confiança, da identidade e do amor. 
É um livro sobre todos nós, à deriva num novo mundo.


Sobre o autor:
Rodrigo Guedes de Carvalho nasceu em 1963, no Porto. Recebeu o Prémio Especial do Júri do Festival Internacional FIGRA, em França, com uma Grande Reportagem sobre urgências hospitalares (1997). Estreou-se na ficção com o romance Daqui a nada (1992) vencedor do Prémio Jovens Talentos da ONU.  Seguiram-se-lhe A Casa Quieta (2005), Mulher em Branco (2006) e Canário (2007). Elogiado pela crítica, foi considerado uma das vozes mais importantes da nova literatura portuguesa. É ainda autor dos argumentos cinematográficos de Coisa Ruim (2006) e Entre os Dedos(2009), e da peça de teatro Os pés no arame (estreada em 2002, com nova encenação em 2016). Regressa ao romance com O Pianista de Hotel (2017).

Em destaque: "Meridiano 28" de Joel Neto


Poderia um agente nazi ter-se escondido nos Açores, consumada a derrota de Hitler?

Sinopse:
Em 1939, o mundo entrou em guerra. Foi o conflito mais mortífero da História da Humanidade. Mas, na pequena ilha açoriana do Faial, ingleses e alemães conviveram em paz durante mais três anos. Eram os loucos dos cabos telegráficos.

No mar em frente emergiam os periscópios de Hitler. Dezenas de navios britânicos eram afundados todos os meses. Já em terra, as crianças inglesas continuavam a aprender na escola alemã, dividindo as carteiras com meninos adornados de suásticas. As famílias juntavam-se para bailes e piqueniques.

Os hidroaviões da Pan Am faziam desembarcar estrelas de cinema e de música, estadistas e campeões de boxe. Recolhiam-se autógrafos. Jogava-se tennis e croquet. Dançava-se o jazz.

Viviam-se as mais arrebatadoras histórias de amor.

QUEM FOI HANSI ABKE?
QUE SOMBRA LANÇA HOJE SOBRE O DESTINO DE JOSÉ FILEMOM MARQUES, O SOBRINHO CRIADO NO BRASIL?

Um romance que vai de Lisboa a Nova Iorque, de Friburgo a Praga, de Bristol a Porto Alegre e às ilhas açorianas, onde todos são descobertos e ninguém pode ser apanhado.

Um reencontro entre dois homens de tempos distintos e que talvez tenham mais em comum do que aquilo que gostariam de acreditar. Uma memória das mulheres que amaram e talvez não tenham sabido fazê-lo.

Sobre o autor:
Joel Neto (n. 1974, Angra do Heroísmo) é autor de quatro romances, uma colecção de contos e vários volumes de crónica e diário. Trabalhou durante duas décadas em Lisboa e vive agora no lugar dos Dois Caminhos, freguesia da Terra Chã (ilha Terceira), onde tem dois cães, um jardim de azáleas e um pomar. É cronista permanente de vários jornais, entre eles o Diário de Notícias. Os seus dois livros anteriores, Arquipélago (romance, 2015) e A Vida no Campo (diário, 2016), mereceram o aplauso da crítica e dos leitores.

"A Livraria" - O FILME

Noutro dia tive a oportunidade de ir ver mais um filme baseado num livro que já li - A Livraria, um filme de Isabel Coixet baseado no livro com o mesmo nome de Penelope Fitzgerald. E, acho que pela primeira vez, gostei muito mais do filme do que do livro! A razão é simples, no final do filme há um pequeno twist que nos dá uma sensação de desforra, coisa que não acontece no livro. Para além disso a prestação dos atores escolhidos é simplesmente fenomenal. Adorei!

De qualquer das formas desafio-vos a tirarem as vossas dúvidas. Leiam o livro e depois vejam o filme. Vale a pena. ;)

Deixo-vos o trailer para que se sintam inspirados e se quiserem podem espreitar a minha opinião do livro aqui.

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)