"Reino de Feras" de Gin Phillips (opinião)

Existem alguns livros que exigem de nós, leitores, um pouco mais do que o normal. Ou seja, parece-me que certos autores convidam-nos (leia-se obrigam-nos) a participar na leitura de uma forma mais ativa, não nos facilitando a interpretação dos acontecimentos ao longo da história e até nos forçando a dar-lhe o final que achamos/sentimos como adequado. Gin Phillips, para mim, encontra-se nesta categoria.

A história começa subtilmente, com uma mãe e o seu filhote de 4 anos a dar por terminada mais uma visita ao Jardim Zoológico, que é o seu local favorito. Minutos antes da hora de fecho eles ouvem o que parecia ser um tiroteio longínquo mas Joan, a mãe, não associando o som a perigo, apressa-se com o seu pequenote para a saída. É aí que ela começa a se aperceber que algo está errado. Vê umas formas estranhas no chão... corpos caídos sem vida, e Joan faz o que o seu instinto lhe ordena: pega em Lincon e foge para local seguro.

Aqui a história sobe de tom o leitor finalmente entende o nome do livro: Reino de Feras / Fierce Kingdom. Feras são os homens que andam a matar pessoas indefesas naquele Jardim Zoológico, feras são os animais que vivem naquele Jardim Zoológico, e em fera supostamente se transforma uma mãe quando se trata de proteger a sua cria. Pelo menos assim deveria ser, mas tenho de ser sincera, estava à espera de mais "fierce" = ferocidade em Joan. O seu discurso, apesar de revelar bem o medo e a tensão, apenas demonstra a sua incapacidade em controlar a situação, o filho e o resultado. Parece-me mais alguém que bloqueou perante uma situação de perigo. Não sei como eu reagiria, mas sei que Joan não está a reagir como a sinopse promete. Apesar disso, consegui colocar-me no seu lugar e acredito que não seria fácil obrigar um menino de 4 anos a ficar caladinho durante 3 horas, com frio e fome e perante uma situação tão anormal para a sua curta vida.

A urgência, o nervoso miudinho e a tensão constante contribui para o crescendo na história. As páginas voam e a respiração do leitor mistura-se com a das personagens, quase silenciosa, tentando também escapar aos que andam à caça. Mas o final... bem, o final é subjetivo. Acho que cada um que ler este livro vai fazer a sua própria interpretação. Quanto a mim, estou em crer que vou andar durante uns dias a pensar nisto. Não devo é ir ao Jardim Zoológico tão cedo. ;)

Pareceu-me uma boa estreia no género para esta autora, se bem que gostava de a ler noutro registo. Fiquei com a sensação de que Gin Phillips tem mais para oferecer.

0 comentários:

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)