"A Sombra do Passado" de Nikola Scott (OPINIÃO)

Sabem quando alguém vos coloca aquela terrível questão "Qual o livro que mais gostaste?" - Eu costumo responder que, para mim, é impossível nomear um, pois são imensos. No entanto, se tivesse de fazer uma lista, este, meus amigos, estaria com toda a certeza lá mencionado.

É um livro extraordinário, não tanto pela história (que apesar de lindíssima, não é original), mas pela forma como a autora a desenvolve, pela atmosfera que a rodeia, que é quase palpável, e a tensão durante toda a narrativa. Aquela necessidade urgente de saber o que afinal aconteceu no passado que explicará o presente.

A escrita, é maravilhosa. Absolutamente maravilhosa. Dei por mim a ler e a voltar atrás para reler esta ou aquela passagem, só pela beleza com que está escrita. Nikola Scott é sem dúvida uma grande contadora de histórias e o seu dom é deveras extraordinário. A sua escrita envolve-nos como uma hera e sem sabermos bem como estamos completamente enredados na leitura, com os sentidos em alerta, tentando participar de algum modo na história que se desenrola perante os nossos olhos.

E as personagens? Magníficas. Cada uma delas é maravilhosamente explorada, com grande profundidade, quer a nível de sentimentos quer a nível da história pessoal de cada uma. A autora não perde tempo com as personagens secundárias, que esvoaçam pela história cumprindo a sua função. A sua dedicação vai para as personagens principais, criando-as de forma a que quase as podemos ver e sentir. É arrepiante, acreditem!

Assim que terminei, apeteceu-me voltar à primeira página e voltar a ler tudo. Este livro é mesmo assim tão bom. Daqueles que me iram acompanhar durante muito tempo. E Nikola Scott tem uma grande responsabilidade agora: manter esta qualidade num próximo livro. Fico ansiosamente à espera.

P.S. Há uma coisa que não posso deixar de mencionar: a capa. A imagem é lindíssima e muito bem apropriada, já que conseguimos visualizar uma das personagens ali, de vestidinho amarelo a ler. E esta edição da Círculo de Leitores em capa rija vale realmente a pena. É daqueles livros que não vão sair da minha estante, garanto-vos. ;)

Em destaque: "Três Desejos" de Liane Moriarty

Sinopse:
Lyn, Cat e Gemma Kettle são trigémeas, têm trinta e três anos e parecem atrair a atenção de todos onde quer que se encontrem. Mas cada uma delas tem de lidar com os seus próprios problemas pessoais.

Lyn esforça-se duramente para alcançar o equilíbrio no seu papel de mãe, esposa e profissional sem perder a serenidade. Cat, cujo casamento perfeito é motivo de inveja de todos os amigos, não suspeita que o marido esconde um segredo que abalará profundamente a sua vida. E a desorientada Gemma, que muda de emprego e namorado constantemente, conheceu recentemente o homem que vai descobrir o seu passado oculto.

Perante tudo isto, os laços entre as três irmãs parecem ser suficientemente fortes para resistirem aos revezes da vida. Pelo menos,,, até àquela noite do jantar do seu trigésimo quarto aniversário em que as verdades de cada uma são reveladas e em que tudo parece irreversível.

Críticas de Imprensa:

«Divertido e enternecedor, com personagens poderosas. Uma leitura deliciosa.» Sunday Mirror

«Um livro original e encantador.» Publishers Weekly

«Três Desejos retrata o mundo real, onde pormenores triviais da vida doméstica, a dor angustiante e momentos de uma alegria súbita convivem regularmente.» The Daily Telegraph

«Ler um livro de Liane Moriarty é como beber um cosmopolitan rosa com uma pequena dose de arsénico.» USA Today

Sobre a autora:
Liane Moriarty nasceu em 1966, na Austrália. Antes de dar início à sua carreira de romancista, desempenhou funções de diretora de marketing numa editora de livros jurídicos e foi copyrighter numa agência de publicidade. Lançou o seu primeiro romance em 2004 e tornou-se uma autora bestseller, cuja obra conta já com mais de 3 milhões de exemplares vendidos e publicados em 55 países.

Liane vive em Sidney com o marido e os dois filhos.

Em destaque: "Memórias de uma Vida em Guerra" de Susan Meissner

Uma escolha errada pode ditar o futuro de uma vida inteira. 

Atualidade. 
Kendra Van Zant, uma jovem estudante de História, está à procura de testemunhos de sobreviventes do bombardeamento de Londres durante a Segunda Guerra Mundial. E o que seria uma tarefa rotineira leva-a à porta de Isabel MacFarland, que, aos 93 anos, decide relatar pela primeira vez a sua experiência durante a guerra e os segredos que guardou durante décadas? começando pela sua verdadeira identidade.

1940, Inglaterra.
Perante a ameaça de um ataque aéreo em Londres, centenas de milhares de crianças são levadas para lares de acolhimento no interior do país. Entre elas encontram-se Emmy Downtree, de 15 anos, e a sua irmã Julia, de 7 anos. Embora a pacata casa de campo de Charlotte seja o melhor refúgio para as duas irmãs, Emmy deseja ardentemente voltar à cidade, para concretizar o seu sonho de costurar os vestidos de noiva que desenha. Mas Julia tem uma profunda necessidade da presença da irmã, obrigando Emmy a tomar uma decisão que a fará seguir por um caminho do qual poderá não haver retorno. Uma decisão que marcará para sempre a vida das duas irmãs.

«Esta história de escolhas e consequências leva-nos numa angustiante viagem por uma Londres dilacerada pela guerra, a pacata região de Cotswolds e o longínquo continente americano. Um romance impressionante e emotivo.» - Historical Novel Society

Sobre a autora:
Susan Meissner é uma autora bestseller do USA Today, com mais de meio milhão de livros vendidos em todo o mundo e traduzidos para 15 línguas.

Antiga editora de um jornal semanal e colunista premiada, é autora de vários romances históricos de grande sucesso. Nasceu em San Diego, na Califórnia, e aos 8 anos demonstrou aptidão para a escrita com uma série de poemas e histórias que escrevia regularmente. Frequentou a Point Loma College, trabalhou como jornalista e atualmente é autora, oradora e organizadora de workshops de escrita criativa, onde incentiva jovens em risco para a escrita e a leitura.

O seu romance Memórias de uma Vida em Guerra foi finalista do Prémio Goodreads para Melhor Romance.

Dia da Mulher


Passatempo "A Sombra do Passado"

Aqui fica o resultado do Passatempo "A Sombra do Passado".

A sorteio, com o gentil apoio do Círculo de Leitores, a quem muito agradecemos, tínhamos um exemplar do livro de Nikola Scott, "A Sombra do Passado".


Tivemos 47 participações consideradas válidas, e após o primeiro vencedor apurado não ter respondido ao email nos cinco dias subsequentes à data final do passatempo, foi apurado o seguinte vencedor:

Jorge Almeida
de Lisboa

Muitos parabéns! Irás receber o livro na morada que indicaste.

"Má" de Chloé Esposito (OPINIÃO)

Quem leu o "Louca" e ficou encantada/assombrada com Alvie Knightly, tem aqui a continuação da história. "" vem reafirmar Alvie como a mais pura tresloucada psicopata que já vi, quer em livros quer em filmes. Aliás, gostava mesmo de ver este livro transformado numa mini série. Vi há pouco tempo uma série que me fez lembrar esta personagem - Killing Eve. Recomendo para quem gosta do género.

Neste "" ficamos a conhecer um pouco melhor a personalidade de Alvie, ou melhor dizendo, a origem da personalidade de Alvie. Embora a história continue (livro começa exatamente no ponto onde terminou o "Louca") há muitas reminiscências sobre a vida de Alvie com a mãe e a irmã enquanto crescia. Acreditem, não foi fácil. Mas daí a virar psicopata... Bem, não sendo psicóloga, creio que a criatura, caso fosse analisada, revelaria uma grave patologia psicológica, exatamente como a psicopatia que se revela por um comportamento antissocial, falta de empatia ou remorsos, um  baixo controle comportamental e uma atitude de dominância desmedida. Sim. Quer-me parecer que seria esse o diagnóstico de Alvie Knightly.

Enquanto personagem de um livro, Alvie é hilariante! Acompanhar as suas aventuras é sem dúvida um exercício de descontração incrível, já que tudo o que na vida por vezes nos leva a pensar "E se eu agora...", ela vai e faz! 

Escrito num tom intimista, como se estivéssemos a ouvir os pensamentos da própria Alvie, e com uma rápida sequência de acontecimentos, é impossível esmorecermos na leitura. Chloé Esposito está a virar sinónimo de uma leitura comprovadamente divertida. Uma verdadeira lufada de ar fresco na literatura contemporânea. Recomendo!

"Filhos à Venda" de Kristina McMorris (Opinião)

A meu ver, as expetativas são normalmente o grande inimigo de qualquer um livro. Ainda recentemente, falei com uma amiga que leu o “Recomeçar“ de Maria Dueñas como primeiro livro da autora, e que o adorou, coisa que já não aconteceu comigo. Como tinha lido (e adorado!) o “Tempo Entre Costuras” esse segundo livro da autora soube-me a pouco. Por essa razão tento não ler sinopses e opiniões sobre um livro, antes de o ler.

Mas no caso deste livro de que agora vos escrevo, "Filhos à Venda", aconteceu-me exatamente o oposto do exemplo que dei acima. Li de passagem o comentário de alguém que leu o livro e ficou desiludido. Percebi então que o título havia levado essa leitora ao engano. Parti então para a leitura do “Filhos à Venda” sem expetativas, pronta a ser surpreendida. E não é que resultou?

Assim sendo, aqui fica a minha opinião sobre este livro. Atenção que o próximo parágrafo pode conter alguns spoilers! O que acho que neste livro até é bom. Podem confiar.

A história centra-se na vida de um jornalista que está a tentar vingar no ramo nos Estados Unidos da América, no inicio dos anos 30, em plena época de recessão económica, marcada por altas taxas de desemprego, muita miséria e fome. Numa viagem pelo campo, depara-se com uma cena inimaginável - uma mãe a vender os filhos por não os poder alimentar. Decide tirar uma fotografia, só para o seu arquivo pessoal. No entanto, por portas e travessas, a foto chega às mãos do chefe de redação que o insta a escrever uma peça para acompanhar a foto. É a sua primeira grande oportunidade e Ellis Reed decide agarrá-la com as duas mãos. O problema é que o negativo da fotografia ficou danificado, e ele não tem outra opção a não ser tentar tirar nova foto às crianças. Só que ao regressar ao local descobre que aquela família já não mora ali. Decide então abordar uma família vizinha e tirar nova fotografia indo buscar a placa do anúncio à casa vazia e recriando a cena. O acontece posteriormente é que não vos conto. Apenas acrescento que o repórter vai tentar remediar os danos que incautamente provocou, e com isso acaba igualmente por encontrar a sua própria felicidade e salvação.


Esta foto, meus amigos, é verdadeira. E foi inspirada nela que a autora escreveu esta história.
Não fiquei grande fã da escrita da autora. Não sei se foi da revisão, da tradução, ou se dela própria, mas por vezes pareceu-me demasiado ansiosa. No entanto, lê-se bem e acabei por gostar muito do livro. A história está muito bem imaginada e as personagens são credíveis e estão muitíssimo bem enquadradas na realidade sócio-económica da época.

Acho que muitas vezes somos influenciados para adquirir um livro pela capa ou pelo título, ou pelos dois, mas é preciso ter cuidado, pois, tal como diz o ditado “as aparências iludem” ou “don’t judge a book by its cover”. No caso deste livro, garanto-vos que apesar da história não ser o que poderiam pensar por causa do título, é uma história muitíssimo boa, provavelmente muito menos lamechas do que seria, e mais abrangente. Adorei.

Em destaque: "Um Clarão de Luz" de Jodi Picoult

Um dia quente de outono começa como qualquer outro no Centro - uma clínica que presta cuidados de saúde reprodutiva a mulheres. 
Como habitualmente, os seus funcionários acolhem as pacientes que ali se encontram para aconselhamento e tratamentos. De repente, pelo final da manhã, um homem armado entra nas instalações e começa a disparar, causando feridos e fazendo reféns.

agente de polícia Hugh McElroy, especialista em negociar a libertação de reféns, estabelece um perímetro de segurança e traça um plano para comunicar com o atirador. Ao olhar sub-repticiamente para as mensagens recebidas no seu telemóvel, apercebe-se, horrorizado, de que Wren, a sua filha de apenas quinze anos, se encontra no interior da clinica.
Wren não está só. Ela vai partilhar as horas seguintes, sob um clima de grande tensão, com outras pessoas: uma enfermeira em pânico, que tem de se autocontrolar para salvar a vida de uma mulher ferida; um médico que põe a sua fé à prova como nunca antes acontecera; uma ativista pró-vida, que se tinha feito passar por paciente e é agora vítima da mesma raiva que ela própria sentia; uma jovem que quer abortar. E o próprio atirador, completamente transtornado, a querer ser ouvido.

Um Clarão de Luz é uma narrativa que equaciona a complexa temática dos direitos das mulheres grávidas e dos direitos dos seres que elas estão a gerar, além de refletir sobre o significado de ser boa mãe e bom pai.

Novo romance de Jodi Picoult, autora bestseller, com mais de 40 milhões de exemplares vendidos internacionalmente (170 mil em Portugal), publicada em 35 países. Um romance desafiador, absorvente e apaixonante.

Tirem as dúvidas. E riam-se com a loucura de Alvie Knightly!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)