"O Rouxinol" de Kristin Hannah (OPINIÃO)

Na maior parte das vezes, eu escolho os livros. Mas às vezes, confesso, há livros que me escolhem. Surgem e desaparecem, e depois voltam a aparecer, numa conversa, em destaque numa livraria, numa foto no Facebook. E eu sei que tenho de ler esse livro. Quase sempre acabam por ser livros extraordinários cuja leitura me marca mais do que qualquer um. O Rouxinol, meus caros, foi um desses casos. Publicado em Portugal pela Bertrand em fevereiro de 2015, passou-me despercebido. Até que há pouco tempo o nome surgiu, vi o teor a ser discutido e de repente comecei a vê-lo em todo o lado. Não houve como fugir. Tive que o ler.

É sem duvida uma leitura fenomenal. Não só a autora escreve com uma vividez impressionante, como não deixa nada em águas paradas, salta de cenário em cenário com agilidade, que para quem lê é quase como se estivéssemos a ver um filme. As personagens são tão verosímeis que temos a sensação que foram reais. No entanto, nem a vila onde se passa parte da ação existe (Carriveau). Eu fui ver. ;)

Mais uma vez, tenho como pano de fundo a Segunda Guerra Mundial. Mas desta feita, em França e vista por um lado mais feminino. As mulheres que ficaram para trás, cheias de esperança que a guerra se resolvesse rapidamente e que os seus homens regressassem sãos e salvos, são as mesmas que meses mais tarde tentam sobreviver estoicamente à invasão das suas vilas, casas e camas pelos alemães.

Vianne e Isabelle são duas irmãs cuja relação nunca foi das melhores. Orfãs de mãe e emocionalmente negligenciadas pelo pai, vêem-se envolvidas numa guerra que lhe entrou porta adentro. Enquanto uma tenta sobreviver à invasão da sua pequena vila, acolhendo contrafeita um oficial alemão na sua casa, e consegue ir ajudando crianças judias a evitar os campos de concentração, a outra aventura-se para mais longe, aliando-se ativamente à Resistência e ajudando a salvar aviadores ingleses e americanos que caíam em território francês.

Ao longo da narrativa é certo, encontramos alguns clichés e lugares comuns sobre França e os franceses, mas, verdade seja dita, em termos gerais, é um livro extremamente bem elaborado que arrebata o leitor e o leva pela mão desde os primeiros dias da guerra em França até ao seu fim. 

Kristin Hannah, com este O Rouxinol, entrou no meu coração e agarrou-se a ele com unhas e dentes. Tão cedo não a deixarei partir. Preciso de ler mais livros desta autora que escreve com tanta graciosidade e realismo. Muito bom!

Para mais informações sobre este livro convido-vos a visitar a página do mesmo no site da Bertrand » aqui.

1 comentários:

Ana Vendeiro on 8/5/19 disse...

Comecei por ler "o jardim de inverno" desta autora e adorei! Recentemente lançou "a grande solidão", uma história passada no Alasca, que me cativou imenso! Entretanto já comprei mais alguns livros dela!!!

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Será o final de Chocolate? Tire as suas dúvidas.

Provavelmente o melhor livro do ano!

Um excelente thriller!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

Uma leitura magnífica.

Tirem as dúvidas. E riam-se com a loucura de Alvie Knightly!

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)