"O Coro de Mulheres de Chilbury" de Jennifer Ryan (OPINIÃO)

Este foi um livro que me preencheu as medidas! :)
✅ Adoro histórias que se passem durante a Segunda Guerra Mundial, sendo que Inglaterra é o meu cenário favorito.
Esta história relata a vida na pequena vila de Chilbury em Inglaterra, que apesar de não ser real, é inspirada numa vila chamada Chilham, no condado de Kent, não muito longe de Londres e ainda mais perto da costa.

✅ Aprender mais um ou outro pormenor sobre a vida das pessoas nessa época, é um bónus maravilhoso.
E este livro está escrito de uma forma impressionante. Não só é baseado em factos verídicos, como em relatos verídicos. Sabiam que havia uma organização em Inglaterra, durante a guerra, que incentivava as pessoas a manterem diários sobre o seu dia-a-dia? A Mass Observation tinha como objetivo registar a vida do/a inglês/inglesa comum para registo futuro. Muitas das histórias que lemos hoje em dia, referentes a essa época, surgem exatamente da consulta desses documentos (cartas, diários, fotografias, etc).


✅ Um pouco de romance e um pouco de mistério numa história, são como cerejas no topo do bolo.
E romance não falta aqui! Apesar de não ser propriamente uma história de amor, porque não o é, tem presentes alguns elementos que farão palpitar o coração das leitoras mais românticas. Eu inclusive! ;)

✅No entanto, para mim, a verdadeira cereja no topo do bolo foi a música. É claro que um livro com o título "O Coro de Mulheres de Chilbury", tinha de ter algo relacionado com música. E tem. Revi-me em imensas situações, pois já fiz parte de alguns coros, e estou desconfiada que a autora também esteve envolvida em algum, ou então teve alguém que lhe descreveu muito bem a sensação. É que descreve todos os pormenores tão bem! É sempre maravilhoso lermos algo com que nos identificamos tão plenamente. As escolhas musicais, a forma como as coralistas eram dirigidas, o que sentiam, a forma como a música fluía, está descrito na perfeição. Adorei.

✅ Descobrir um pouco mais sobre o papel da mulher na sociedade ao longo dos tempos. E realmente, uma das épocas em que mais se alterou o papel das mulheres na sociedade, foi exatamente esta, durante a II Guerra Mundial, quando tiveram de substituir os homens que seguiam para a guerra.
E como a ação se desenrola numa vila pequena, essas alterações são bem mais notórias. Fantástico!


Em suma, este é verdadeiramente um livro precioso. Não só nos exalta, enquanto mulheres, como nos mostra como uma comunidade, consegue sobreviver, unindo-se. Adorei. Os meus parabéns a Jennifer Ryan. E que venham mais livros do género!


1 comentários:

Sandra C. on 14/8/19 disse...

Agora fiquei curiosa... Este é o meu género de livro. Já li vários livros desta época e não me canso...
Adoro descobrir como viviam as pessoas nesta altura. Como ultrapassavam as dificuldades.
Vou ficar com este livro debaixo de olho...

Beijinhos.
Sandra C.
bluestrass.blogspot.com

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Um dos melhores do ano!

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva
Leu o livro? Viu a série? O que espera para ler a sequela? Um final surpreendente para Gilead, e uma obra incrível vencedora bem merecida do Booker Prize.

Uma leitura obrigatória!

Uma leitura obrigatória!
“Moyes dá vida a um pedaço da história muitas vezes esquecido. (…) Uma carta de amor ao poder dos livros e da amizade.” Kirkus Review

Uma leitura imprescindível!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)