"Frágil" de Jodi Picoult


Tudo pode quebrar. Mas algumas coisas doem mais do que outras.

Sinopse:
Willow, a linda, muito desejada e adorada filha de Charlotte O’Keefe, nasceu com osteogénese imperfeita - uma forma grave de fragilidade óssea. Se escorregar e cair pode partir as duas pernas, e passar seis meses enfiada num colete de gesso. Depois de vários anos a tratar de Willow, a família enfrenta graves problemas financeiros. É então que é sugerida a Charlotte uma solução. Ela pode processar a obstetra por negligência - por não ter diagnosticado a doença de Willow numa fase inicial da gravidez, quando ainda fosse possível abortar. A indemnização poderia assegurar o futuro de Willow. Mas isso implica que Charlotte tem de processar a sua melhor amiga. E declarar perante o tribunal que preferia que Willow não tivesse nascido...

A minha opinião:
Nunca vos aconteceu ficarem zangados com um livro?
A mim já aconteceu algumas vezes. Hoje voltou a acontecer. Com este livro.
Espero não vos confundir… Eu adoro ler Jodi Picoult. Os temas que aborda, o modo como nos apresenta a história, a maneira como nos faz oscilar de opinião, fazem dela uma das minhas autoras favoritas e muito provavelmente uma das melhores autoras da actualidade. E este livro não foi excepção.
Mais uma vez vi-me perante um caso complicado. Parte dele está bem exposto na sinopse. Mas isso é apenas parte dele.
Não é fácil comentar um livro de Jodi Picoult. Principalmente por não sabermos o que dizer. Principalmente quando chegamos ao final e ficamos sem saber o que pensar ou o que sentir. Ou porque ficamos zangados.
Não consigo comentar sem revelar demasiado, por isso não o vou fazer.
Apenas vos digo que, apesar de tudo, valeu a pena esta leitura e que mais uma vez, aprendi algo:
Há coisas que não têm valor, devido ao valor inestimável que possuem.

De tantos pedaços de texto que nos tiram o fôlego e nos obriga a lê-los duas e três vezes, há dois especiais que tenho de aqui ressalvar:

Pág. 186 - 187
(…)
- Mas eu ainda não disse nada!
- Não tens de dizer adoro-te para dizeres adoro-te – disseste encolhendo os ombros. – Só tens de dizer o meu nome que eu sei.
- Como?
Quando olhei para ti, fiquei impressionada por ver tanto de mim própria no formato dos teus olhos, na luz do teu sorriso.
- Diz Cassidy – instruíste.
- Cassidy.
- Diz… Úrsula.
- Úrsula – repeti.
-Agora… - apontaste para o teu próprio peito.
- Willow.
- Não ouves? – disseste – Quando gostamos muito de uma pessoa, dizemos o nome dela de maneira diferente. Como se estivesse em segurança dentro da nossa boca..
- Willow – repeti, sentido a almofada de consoantes e o balançar das vogais. Terias razão? Poderia abafar tudo o resto que eu tivesse para dizer? – Willow, Willow, Willow – entoei, uma canção de embalar, um pára-quedas, como se pudesse amparar-te dos golpes que estavam para vir.
(…)

Pág. 279-280
(...) Quem sabe se há uma diferença entre ser-se uma mãe responsável e ser-se uma boa mãe.
- Há sim - disse eu, e Charlotte olhou para mim, na expectativa.
Apesar de não conseguir articular a diferença enquanto adulta, em criança, sentira-a. Fiquei a pensar por um instante.
- Uma mãe responsável é alguém que segue cada passo que o filho dá - disse eu.
- E uma boa mãe?
Olhei para Charlotte.
- É alguém que o filho deseja seguir.
(...)


Obrigada querida Amiga por esta oportunidade!

8 comentários:

Lia on 21/12/09 disse...

Eu fiquei muito zangada com o final. Marcou-me mesmo muito. As coisas devem ser aproveitadas da maneira que as dispuseram para nós e não devemos molda-las à nossa maneira, porque quando isso acontecer já passou imenso tempo e aquele momento já se perdeu. Foi a lição que eu tirei com este livro.
Tenho um post no meu blog. Dá lá uma espreitadela http://gostodetilivro.blogspot.com/2009/12/fragil-jodi-picoult.html

Beijocas e Feliz Natal!

Betita on 21/12/09 disse...

Outra vez uma da passagens foi a que eu coloquei :P
Olha que isto causa-me arrepios... cá me parece que é algo sobrenatural, não achas????
Beijos Grandes

branca de neve on 24/1/10 disse...

Tenho muita curisidade por esta autora.

andreia on 19/2/10 disse...

Estou zangadixima com este final... mas pk tinha de acabar assim?????


Beijinhs****

Anónimo disse...

Os livros da Jodi são muitos giros ! Ela escreve muito bem! eSTOU APAIXONADA! Os livros dela vao estar todos a 30% no sie www.netbook.pt !

Beijinho a todas :)

Anónimo disse...

Os livros da Jodi são muitos giros ! Ela escreve muito bem! eSTOU APAIXONADA! Os livros dela vao estar todos a 30% no sie www.netbook.pt !

Beijinho a todas :)

Anónimo disse...

* www.netbooks.pt
: D

Bruna on 14/7/10 disse...

Olá!
Esta escritora para mim também é uma das minhas preferidas.
Também fiquei desiludida com o fim...
De todos os livros que li dela, nunca pensei num desfecho tão inesperado e tão triste...
Estou também a ler, a ler não, a devorar o Compaixão.
E espero ansiosa pela chegada do novo livro dela já para Novembro..
Espreita o meu blog..
Beijinhos

Gostei tanto deste livro!!

Gostei tanto deste livro!!

Mais um livro excecional!

A não perder!

Para os que gostam de thrillers...

Novo livro de Lesley Pearse!!

Um livro magistral!

Um livro magistral!
Neste livro, Jodi Picoult aborda temas como a raça, o privilégio, o preconceito, a injustiça e a compaixão.

O novo livro de Deborah Smith

Novo Thriller de Paula Hawkins

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)