"A Culpa é das Estrelas" de John Green


Por norma, assim que termino a leitura de um livro corro para o computador mais próximo para escrever a minha opinião. Gosto de a escrever a quente, ainda a saborear as últimas palavras do livro. É certo que por vezes tenho de deixar assentar a poeira, interiorizando o que li, deixando o que senti cristalizar-se dentro de mim antes de o passar para o papel.
Com este “A Culpa é das Estrelas”, porém, algo de estranho aconteceu. Ando há dois dias com o livro de um lado para o outro sem conseguir colocar em palavras aquilo que sinto. A sério! Terminei-o na 3ª feira e não só não conseguia escrever uma única linha sobre ele, como não conseguia deixá-lo em casa. Mas como tenho de o fazer, aqui estou eu numa tentativa, esperemos que não frustrada, de escrever uma opinião.

Para ser sincera, a única palavra que me ocorreu assim que o acabei de ler foi… UAU! 
O meu marido estava perto de mim e perguntou, “Então?” (ele sabe sempre quando um livro me toca de forma especial). Ao que eu apenas respondi “Não sei.” - E a verdade era essa, não conseguia explicar-lhe o que estava a sentir. “Não sabes como?”, insistiu ele. “Simplesmente não sei. Não sei o que sinto, embora o meu peito esteja prestes a explodir, as lágrimas que já deviam ter rompido continuem nas represas dos meus olhos, e a minha mente se encontre a viajar a 1.000 kms por hora.” -“Só isso?”, rematou ele sorrindo, adivinhando logo qual irira ser a sua próxima leitura.

Agora três dias depois, sinto que já estou ligeiramente distante daquele sentimento arrebatador que me tirou a voz da mão e apesar do livro continuar aqui ao meu lado, acho que já consigo escrever um pouco sobre ele. Sem dúvida que a forma como me tocou foi demasiado profunda.
Escrito com uma riqueza impressionante, bebi de cada sílaba o máximo que pude. Li e reli vários parágrafos, só para poder apreciar a maravilhosa dança das palavras, o jogo de sentimentos tão habilmente entrelaçados em cada frase. Absolutamente genial!
A história podia ser apenas mais uma simples história. Banal, até. Um pouco impressionante, talvez, ligeiramente propícia a roçar a lamechice. Mas não é nada disso. Bem pelo contrário! aquilo que John Green faz com ela é fenomenal. E a conclusão a que chego é que quero mais. Quero ler mais deste autor cujo dom não é contar histórias, mas sim encantar leitores e permitir que as suas personagens ganhem asas e voem para fora do livro connosco a ver.
Estou conquistada, absolutamente rendida a este autor. Quero mais.
Este é mesmo um dos melhores livros do ano.
Definitivamente a não perder.

Para mais informações sobre este livro fabuloso, podem espreitar aqui ou visitar o blog “Livros com Sentido”.

3 comentários:

Cristina on 2/9/12 disse...

Tocou-me ler sobre a forma como esse livro a tocou a si...O poder dos livros é realmente algo fantástico. Continuação de excelentes leituras!

a mulher certa on 6/9/12 disse...

Boa critica. Quero ler este.

Teresa Araújo on 18/9/12 disse...

Gosto de livros que fazem mexer com os meus sentimentos. E pela tua critica, acho que este me vai trazer isso mesmo.
Optima critica..

Vou ler. Obrigada pela sugestão

Mais um livro excecional!

A não perder!

Para os que gostam de thrillers...

Novo livro de Lesley Pearse!!

Um livro magistral!

Um livro magistral!
Neste livro, Jodi Picoult aborda temas como a raça, o privilégio, o preconceito, a injustiça e a compaixão.

O novo livro de Deborah Smith

Novo Thriller de Paula Hawkins

Uma história maravilhosa!

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)