"A Ilha das Mil Fontes" Saga das Caraíbas - Livro I de Sarah Lark (OPINIÃO)


“A Ilha das Mil Fontes” é o primeiro livro da Saga das Caraíbas da escritora Sarah Lark. Fiquei fã desta autora quando li a Saga do País da Nuvem Branca que aborda a história da Nova Zelândia, por isso fiquei entusiasmada quando a Marcador decidiu publicar esta segunda saga. Uma coisa é certa, ao ler Sarah Lark, para onde quer que vamos, temos uma maravilhosa viagem garantida.

Quando comecei a ler os primeiros capítulos e percebi que a ação apenas se desenrolava em Londres comecei a ficar apreensiva. Afinal, quase me parecia um romance de época com uma jovem inglesa presa a uma paixão impossível, mas que teimosamente e aproveitando uma ausência parental, foge para junto do seu amado para cuidar dele no seu leito de morte. A sério. Comecei a lembrar-me do Monte dos Vendavais e livros do género. Romances trágicos com um tom de desespero que não suporto. Mas. Aliás, MAS (tem de ser em maiúsculas) foi uma primeira parte do livro que se veio a revelar mesmo necessária. Tínhamos de saber o que Nora experienciou nessa época, pois tudo se irá revelar como útil quando finalmente ela ruma à Jamaica.


Depois de chegar à Jamaica a leitura muda de tom, talvez com um certo ritmo caribenho, e é fácil apaixonarmo-nos pela ilha. A parte histórica é preciosa e, uma vez mais, como no País da Nuvem Branca, Sarah Lark conquista-nos ao personalizá-la. Adorei conhecer as plantações de cana do açúcar, condoí-me com a vida dos escravos e a forma como eram tratados pelos seus bhakras. Tal como Nora apaixonei-me por aquelas paisagens maravilhosas, cavalguei livremente por praias desertas banhadas por um mar azul a perder de vista. A partir de uma determinada altura os acontecimentos precipitam-se e a vida de Nora e da plantação do seu marido dá uma grande reviravolta. Somos então apresentados à parte mais selvagem da ilha onde vivem os quilombolas – os negros livres, ou que fugiram das plantações. A história da Jamaica e o fim anunciado da escravatura começa então a dar os primeiros passos e a autora baseia-se em personagens reais, como a Rainha Nanny, para dar continuidade à sua história.


Adorei esta leitura e fico imensamente feliz por poder continuar esta viagem pelas Caraíbas, saltando para a ilha de São Domingos ou Hispaniola. É uma saga maravilhosa que recomendo a quem se quiser deixar arrebatar pela escrita desta autora. Absolutamente fabulosa.

0 comentários:

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)