Opinião: "Os Testamentos" de Margaret Atwood

Quando terminei a leitura do primeiro livro  era minha intenção ler, assim que possível, o segundo, que ainda não estava publicado em português, mas que como se constatou, não tardaria. Quis o destino que o livro fosse publicado no mesmo mês em que o mundo parou, por causa de uma palavra diferente: pandemia. Foram tempos difíceis e inacreditáveis, mas nada comparado com o que agora atravessamos, novamente em confinamento, e com os números com que nos assustámos em Itália, a dizerem-se em português.

Por incrível que pareça, se há um ano o que se estava a passar no mundo me afastou dos livros, agora me aproxima deles, e ando a ler como há muito não o fazia.

Mas falemos de Os Testamentos. Apesar de ter sido escrito com um hiato de 32 anos da primeira edição do primeiro livro, é na realidade a continuação de A História de uma Serva, ou melhor dizendo, da história de Gilead, esse país formado com base em ideais extremistas, uma religião fundamentalista e um perfeito desrespeito pelos direitos humanos, principalmente das mulheres. 

No livro que aqui abordamos, a ação desenrola-se em dois tempos. O primeiro passa-se 15 anos após o final do primeiro livro e o segundo tempo passas-se em 2197, durante o 13.º Simpósio dos Estudos de Gilead, onde se analisam diários e registos de voz desse tempo, que ajudam a compreender o que aconteceu. No fundo a história é-nos contada a três vozes: a da segunda filha de June, se encontra em plena adolescência que foi criada em liberdade do Canadá; a voz de Agnes, a primeira filha de June, criada em Gilead e prestes a casar, e a de Tia Lydia, já no final da sua carreira como Tia, mas ainda a controlar tudo e todos.


É sem dúvida uma história fascinante esta que Margaret Atwood nos conta. Parece que mantemos a respiração em suspenso desde que começamos a ler até chegarmos ao último parágrafo. A forma como Atwood nos envolve na história, nos desafia, nos agonia e depois nos conquista, é fenomenal. Gostava de experimentar outras histórias dela. Tenho de investigar. ;)

Bem diferente do primeiro livro, ou afinal não tivesse sido escrito com tanto tempo de diferença, é o final perfeito para esta saga que tanto me revoltou como fascinou. Sei que houve quem não gostasse, mas sinceramente, acho que se deveu à expectativa criada. Eu adorei! E recomendo sem hesitações!

0 comentários:

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Um dos melhores do ano!

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva
Leu o livro? Viu a série? O que espera para ler a sequela? Um final surpreendente para Gilead, e uma obra incrível vencedora bem merecida do Booker Prize.

Uma leitura obrigatória!

Uma leitura obrigatória!
“Moyes dá vida a um pedaço da história muitas vezes esquecido. (…) Uma carta de amor ao poder dos livros e da amizade.” Kirkus Review

Uma leitura imprescindível!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)