"O Teu Rosto Será o Último" de João Ricardo Pedro


Uma das coisas que mais me fascina nos livros que leio é a forma como cada autor escreve. As impressões digitais que deixa no texto, o seu cunho pessoal que fica a pairar em redor de nós, à medida que vamos desbravando a história.
E é sempre muito mais saboroso quando tenho a oportunidade de o encontrar num texto genuinamente português.

João Ricardo Pedro é sem dúvida um autor a seguir de perto. Neste seu romance de estreia deixou-me de água na boca, e espero poder desfolhá-lo novamente, muito em breve.

A história que circunda uma família desde o tempo do Estado Novo, está organizada de uma forma algo estranha. Original sem dúvida. Interessante, talvez. Ficará ao vosso critério.
Tudo começa bem no primeiro capítulo. Mergulhamos na narrativa e deixamos a história infiltrar-se em nós. Depois, subitamente no segundo capítulo, algo estranho se passou. Será que isto afinal são contos? perguntei a mim própria. A resposta rapidamente se me assomou aos olhos. Não. Seriam talvez histórias independentes com os diversos membros daquela família. Histórias que mais tarde ou mais cedo se vão interligar, dando origem a uma bela e original manta de retalhos.

Mas, como disse no início, é a maneira como João Ricardo Pedro escreve que me arrebatou: por vezes crú, muitas vezes rude, mas maioritariamente com o desvelo de um poeta.
Deixo aqui um pequeno extrato, um exemplo de como a simplicidade na escrita é também ela uma forma de arte. E num pequeno parágrafo se descreve uma vida.

«E foi nesse preciso instante que o doutor Augusto Mendes reparou, pela primeira vez, nos olhos escuros daquela mulher, nos músculos dos braços que revolviam a terra e esfolavam os bichos e teciam os dias com uma paciência de sábios. E, a seguir, reparou nos dedos. Nos lábios. Nas ancas. E nunca mais a tratou por rapariga. Dali em diante, seria sempre Laura. A minha Laura. Laura, amanhã vamos ao Fundão e compras lá um vestido. Laura, não sejas tonta. Laura, acho que devíamos casar-nos. Laura, é um menino. Laura, vamos chamar-lhe António. Laura, temos o cão do Celestino, morto e esfolado, em cima da nossa cama. Laura, amanhã vou levá-lo ao seminário em Alcains. Laura, que disparate. Laura, só lhe custam os primeiros dias. Laura, os padres adoram-no, dizem que é muito bom na música e no latim. Laura, claro que se agarra às tuas pernas a chorar. Laura, claro que acorda à noite aos gritos a chamar pela mãe. Laura, o nosso António vai para Angola. Laura, o nosso António vai casar-se. Laura, a nossa nora parece ser boa rapariga. Laura, vamos ter um netinho. Laura, o nosso netinho vai chamar-se Duarte. Laura, o nosso Duarte. Laura, o nosso Duarte Miguel. Laura, o nosso António não me parece nada bem. Laura, o nosso António. Laura, o nosso António. Laura, Laura, Laura. Três vezes.» 

2 comentários:

Cate M. on 13/6/12 disse...

Há algum tempo que queria ler este livro, e agora ainda fiquei mais curiosa. O excerto é fantástico!

Rita Carmo disse...

Parece realmente interessante! Tenho de ler :-)

Diane Chamberlain... já conhece esta autora?

Sveva Casati Modignani

Paulo Coelho está de volta!

Jojo Moyes - novo livro!

A não perder...

Novo livro

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2016 Blogger Template (Adapted by Fernanda)