Em destaque: "QUANDO FORES MÃE, VAIS VER e outras Pérolas do Folclore Materno" de Ana Saragoça


O PRIMEIRO E ÚNICO LIVRO QUE RETRATA A VERDADEIRA MÃE-À-PORTUGUESA 
Lembra-se destas frases que ouviu da sua mãe e que jurou nunca, mas nunca, em tempo algum, repeti-las aos seus filhos?

«Antes chorares tu que chorar eu.»
«Se os teus amigos se atirarem a um poço, também te atiras?»
«É para teu bem.»
«Também eu queria muita coisa!»
«Temos o caldo entornado»

Pois é, Ana Saragoça, actriz, dramaturga, romancista, senhora de um sentido de humor acutilante, de uma inteligência notável e de uma escrita que traduz tudo isso, desfia as memórias da sua infância, de filha de uma mãe alentejana a residir em Lisboa e faz-nos dar sonoras gargalhadas e recordar a nossa própria infância a todo o passo.

«Ao cabo de milénios a criarem filhos, as mulheres de todo o mundo acabaram por desenvolver um léxico quase comum, um glossário de frases feitas que todas ouviram às mães, e todas juraram que nunca repetiriam aos filhos – com os resultados que se conhecem.»
“O vocabulário das mães é verdadeiramente um colar, mas não de pérolas. É mais daqueles a que se vão acrescentando penduricalhos ao longo da vida, sem nunca retirar nenhum.»
«O folclore materno tem frases certeiras em todas as áreas - aspecto físico, agressão passiva, segurança, ameaças, saúde e bem-estar, etiqueta e boas maneiras, segurança; e para todas as fases de crescimento dos filhos - infância, adolescência e idade adulta – embora, para as mães, o conceito de idade adulta nos filhos seja altamente discutível: como vim a descobrir, é-nos muito complicado reconhecer o crescimento de um rabo que limpámos vezes sem conta.»

Este é o livro sobre a Verdadeira-Mãe-à-Portuguesa, que é uma variante muito nossa da Mãe Universal: todas as mães do mundo parecem copiadas a papel químico.
Se consultarmos um dicionário chinês de ditos das mães encontraremos, de certeza, muitos que parecem retirados a papel químico dos das nossas: o Rio das Pérolas Maternas passa por todos os continentes e desagua num oceano nem sempre pacífico, como se descobrirá ao ler este livro. Um oceano em que todos, mas todos, molhamos os pezinhos, ao longo de gerações e gerações.
Boa disposição garantida num livro recheado de divertidas ilustrações, que todos os filhos quererão ler e todas as mães podem ler sem motivar ameaças como a de que «vai haver cachapim com couve!».

Sobre a autora:
Ana Saragoça, filha dos anos sessenta, de um pai terno e de uma mãe extremosa que não deixa os créditos por mãos alheias, cresceu, tal como a irmã, limpinha e asseada, bem-educada, bem alimentada e agasalhada e bem comportada, apesar de um forte pendor para
a irreverência que se lhe adivinha desde as primeiras linhas deste livro e se aposta que existe naquela cabeça desde os primeiros anos de vida.
Terá, pois, dado à mãe fortes razões para coleccionar «pérolas» suficientes para um colar com várias voltas e, agora, passa a herança à filha pré-adolescente e ao filho, já adolescente, com quem vive, em Lisboa. Embora por vezes tenha melhores resultados (como todas as mães sabem) a falar para as paredes, ou para os cinco gatos que completam o agregado familiar...
Para além do currículo materno-filial, é actriz, tradutora e escritora, tendo publicado, em 2012, um dos mais interessantes romances do ano literário: Todos os Dias São Meus.
É também dramaturga, com duas peças levadas à cena recentemente, e colaboradora de várias revistas, e nomeadamente de uma que se chama Papel mas só existe online (o que pensará disto a mãe dela?) 

Sobre a ilustradora:
Marta Carreté nasceu em Barcelona, em 1973. É ilustradora e pintura. Colabora habitualmente com revistas, agências de publicidade e produtoras de audiovisuais. O sentido de humor e a pesquisa de uma linha simples, mas graficamente conceptual, caracterizam o seu trabalho. Era ainda criança quando sentiu dentro de si qualquer coisa a agitar-se. Como uma daquelas bolas de vidro que contém um souvenir e quando se agitam provocam uma tempestade de neve, sabem? Então teve a certeza do que queria ser quando fosse grande e, de então
para cá, tem o privilégio de se dedicar àquilo que a faz vibrar mais intensamente: criar.



0 comentários:

Diane Chamberlain... já conhece esta autora?

Sveva Casati Modignani

Paulo Coelho está de volta!

Jojo Moyes - novo livro!

A não perder...

Novo livro

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2016 Blogger Template (Adapted by Fernanda)