Opinião: "Estranho Lugar para Amar" de Luísa Castel-Branco


Terminei hoje esta leitura que tanto prazer me deu. Luísa Castel-Branco, a quem tive o prazer de conhecer recentemente e cuja entrevista irei publicar em breve, escreve com a mestria de uma alma intemporal. Neste “Estranho Lugar para Amar” encontrei a mesma cadência de um dos meus livros favoritos de sempre, o “Alma e os Mistérios da Vida”. Embora já nos tenha provado ser-lhe fácil escrever qualquer género, revisitar este tipo de história é quase como voltar a casa após prolongada ausência.

Não conhecia a história do Colmeal. Escondida por entre as páginas da história, não é fácil descobrir o porquê do abandono desta pequena aldeia. Mas com a ajuda de Luísa Castel-Branco, acabamos por entender como foi possível acontecer o que aconteceu.


«No concelho de Figueira de Castelo Rodrigo ficava a aldeia do Colmeal, um povoado com 14 famílias de origens antigas. O fado da aldeia ficou ditado no início da década de 40 com a chegada de uma nova proprietária. As disputas entre a enigmática fidalga e os camponeses desencadeiam o processo de expulsão violenta de todos os habitantes, processo que consta até hoje como uma das páginas mais negras do período da ditadura portuguesa.»

A autora pega nesta história e conta-a acrescentando algum romance e muita fantasia. Temos então dois locais, a aldeia do Colmeal e um lugar diferente conhecido só por alguns, como o Sítio. O Sítio é talvez o lugar onde todos gostaríamos de viver. Um local sem ódios nem invejas, onde reina a pureza do coração e a bondade. Um local interdito, a que apenas conseguem aceder alguns. Na história que Luísa Castel-Branco nos conta, a ação vai saltitando entre um lugar e outro, e o que acontece no primeiro acaba por afetar o segundo. Esta assimetria entre o real e o surreal, entre o verdadeiro e o imaginário, acaba por ser a maior beleza deste livro.

As personagens, tanto as que povoam a aldeia do Colmeal como as que povoam o Sítio, são extremamente verosímeis e algumas são tão odiosas quanto as outras nos conquistam com a facilidade de uma borboleta. Gostei especialmente de Alva, e do seu amado Tadeu, quais Romeu e Julieta de terras portuguesas, e de Cisne, cuja pureza de coração me encantou. Mas também adorei conhecer o Zé da Bernarda e a Ti Deolinda, gente simples mas plena da sabedoria que caracteriza os mais velhos, principalmente aqueles que sabem ver o mundo com outros olhos.
Sim, porque é sempre necessário sabermos olhar para a vida com outros olhos para a podermos viver plenamente.

Numa palavra: adorei.
Obrigada Luísa por mais um livro excelente!

1 comentários:

Filipa Lemos on 17/6/14 disse...

Vou colocar na minha lista :)

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

O Regresso de Isabel Allende

O Regresso de Isabel Allende
Uma viagem maravilhosa.

A fabulosa Tetralogia Napolitana - Amiga Genial

A fabulosa Tetralogia Napolitana - Amiga Genial
Espreite a minha opinião e decida-se finalmente a ler os livros de que todos falam.

O que espera por ter estes dois livros na sua estante?

O que espera por ter estes dois livros na sua estante?
Maria Dueñas, a autora, é uma verdadeira contadora de histórias. Encanta-nos, quase que nos hipnotiza, e leva-nos de mão dada até lugares e situações longínquas no tempo. - Fernanda Carvalho de "As Leituras da Fernanda"

"Gente Feita de Terra" - o último livro de Carla M. Soares.

"Gente Feita de Terra" - o último livro de Carla M. Soares.
Uma leitura imprescindível!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)