Opinião: "Cinco Dias de Vida" de Julie Lawson Timmer

Este livro contém duas histórias que se cruzam através de uma ténue ligação. Creio que a intenção da autora seria contar duas histórias que não tendo muito em comum, se unissem pelo facto de faltar apenas cinco dias para que algo de importante e devastador aconteça. Um prazo, no fim do qual alguém, em ambas as famílias, irá sofrer.

As duas histórias abordam temas delicados e sérios.
Por um lado, no caso de Mara, temos uma família que está à beira de ser destruída pela doença de Huntington – uma doença genética incurável e neurodegenerativa que num período relativamente curto incapacita uma pessoa (ver mais aqui). À medida que os sintomas vão piorando, Mara que não quer sobrecarregar a sua família, opta avançar com uma solução drástica para o seu problema. Não é uma decisão fácil, e ao longo desses cinco dias vamos acompanhar Mara, nas suas incertezas, receios, lutas e rendição final.
Para mim esta é a história principal, uma história um pouco negra, com bons argumentos para partir o coração de qualquer leitor. No entanto, a autora consegue evitar a chamada “lamechice”, tratando do assunto com alguma frieza e distanciamento, o que para quem lê, digo-vos, é muito reconfortante.
Numa altura em que tanto se fala nos direitos que os doentes incuráveis têm em optar pelo suicídio assistido, este é um bom livro para meditarmos um pouco sobre o assunto.

Na segunda história, temos uma situação que muito provavelmente encontraríamos facilmente numa sociedade como a nossa. Scott e a sua esposa, Laurie, foram durante um ano, família de acolhimento para um rapaz de 6 anos. Mas enquanto que Laurie está finalmente grávida e desejosa de dizer adeus a Curtis para dar início à sua ideia de família perfeita, Scott encontra alguma dificuldade em conseguir desprender-se daquele menino que conquistou o seu coração no último ano. E são esses últimos cinco dias que Scott tem com Curtis, que vamos acompanhar com as voltas e reviravoltas que acabam por afetar o desenlace da história.
Talvez numa tentativa de contrabalançar com a história de Mara, esta será a história mais positiva do livro, embora altamente enervante, uma vez que autora consegue transmitir-nos na perfeição a frustração de Scott relativamente ao sistema, à sua esposa e à situação periclitante de Curtis.

Em suma, é um livro para se ler com uma postura analítica, mas ao mesmo tempo sentindo todo o Amor que envolvem as decisões tomadas pelas personagens de ambas as histórias.
Gostei bastante!

0 comentários:

Diane Chamberlain... já conhece esta autora?

Sveva Casati Modignani

Paulo Coelho está de volta!

Jojo Moyes - novo livro!

A não perder...

Novo livro

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2016 Blogger Template (Adapted by Fernanda)