Opinião: "Hotel Sunrise" de Victoria Hislop

E através dos livros também muito se aprende.
Com os livros de Victoria Hislop, já abordei alguns temas interessantes. No primeiro livro, A Ilha que li em outubro de 2007, descobri Spinalonga, uma ilha ao largo de Creta na Grécia, que foi uma das últimas colónias de leprosos a ser desativada.
Depois, com A Arca, aprendi um pouco mais sobre o passado da Grécia, através da história de Tessalonica, a segunda maior cidade grega - as grandes catástofres que a atingiram e condicionaram o seu crescimento, como o grande incêndio em 1917, o acolhimento dos gregos exilados de Esmirna em 1922, e mais tarde o extermínio de quase todos os habitantes judeus durante a ocupação alemã em 1941 e 1942.

Neste novo livro, Hotel Sunrise, Victoria Hislop aborda uma outra ilha – o Chipre, e principalmente uma cidade, Famagusta.

Famagusta, com uma localização excecional e um clima fabuloso, era um dos destinos paradisíacos mais cobiçados pelos turistas nos anos 60/70.


Hoje, Famagusta, é uma cidade fantasma, um paraíso perdido. Uma cidade refém da República Turca de Chipre do Norte (república nunca reconhecida pela ONU, apenas pela própria Turquia, e que ocupa ilegalmente o terço norte da ilha de Chipre).
 
Chipre está literalmente dividido.
A chamada linha verde é um muro que subsiste em plena Europa do século XXI.


Neste livro, a autora mais uma vez apresenta-nos a história de um país, de uma cidade, através da história de duas famílias. No meio da ação, em 1974, encontramos uma família greco-cipriota e outra turco-cipriota, cuja amizade, tão comum por toda a ilha, demonstra o quão os governantes por vezes se encontram alheados da realidade social.
Unidos, embora destituídos dos seus lares, eles celebram o passado e enfrentam o futuro. Encontram refúgio na sua amizade e num dos hotéis mais famosos de Famagusta, o Hotel Sunrise. Ali sobrevivem durante alguns meses, até que o inevitável acontece e eles são obrigados a abandonar definitivamente a sua terra, rumo ao desconhecido.
E tudo isto porquê?
A mesma rua em Famagusta em 1974 (em cima) e hoje em dia (em baixo).

Enfim, "Hotel Sunrise" é mais um livro admirável desta autora que não tem medo de abordar questões controversas e delicadas. Escrito de forma exemplar, mistura habilmente a realidade com a ficção e conquista o leitor com o suspense e dramatismo q.b. na ação que não desilude.

Merece as minhas 6 estrelas!

Uma leitura excelente que nos ajudará a perceber um pouco melhor a crise no Chipre.
Recomendo sem hesitações.

Para mais informações queiram visitar a página do livro no site da Porto Editora » aqui.

1 comentários:

Isaura Pereira on 22/4/15 disse...

Olá!

Esta autora parece ter livros muito interessantes. Gostei deste livro. Mais uma para a lista.

Beijinhos e boas leituras

Diane Chamberlain... já conhece esta autora?

Sveva Casati Modignani

Paulo Coelho está de volta!

Jojo Moyes - novo livro!

A não perder...

Novo livro

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2016 Blogger Template (Adapted by Fernanda)