"Segredos Obscuros" de Hans Rosenfeldt e Michael Hjorth (opinião)

Gosto imenso de policiais nórdicos. Desde que li o primeiro, por norma não os deixo fugir da minha vista. São claros e objetivos, com o seu quê de frieza, tão típico nessa parte do globo.
Sobre este livro especificamente, acho que a minha curiosidade e expetativa foi muito bem cultivada pela editora, através de imagens misteriosas e mensagens algo enigmáticas na sua página do Facebook. Quando finalmente o tive na mão, soube que não podia demorar muito a lê-lo. E assim foi.

No centro da história está o desaparecimento de um jovem de 16 anos numa pequena localidade sueca, Vasteras. Rapidamente o seu corpo é descoberto e a investigação é entregue a uma equipa de elite, a Riksmord. Logo de seguida somos apresentados ao principal protagonista, Sebastian Bergman, um ex psicólogo criminal, famoso por ter colaborado inúmeras vezes com a polícia na resolução de alguns casos bastante mediáticos. Sebastian é o verdadeiro anti-herói, uma pessoa arrogante e extremamente desagradável, que entrou em declínio pessoal e profissional após ter perdido a sua mulher e filha no tsunami de 2014. A medida que o vamos conhecendo, vamos substituindo os sentimentos que inicialmente nos provocou por pena. É um homem perdido na sua própria dor.

Sebastian encontra-se em Vasteras por acaso (para vender a casa dos seus pais após a morte da sua mãe), e ao tropeçar inadvertidamente na investigação, acaba por ser convidado por Torkel, o chefe da Riksmord, para se juntar a eles. A equipa fica então pronta, e a história avança. De imediato a ação acelera e os acontecimentos sucedem-se, complicando o enredo.



Toda a gente tem segredos, e há quem faça tudo para os manter escondidos. Mas na realidade, nem todos os segredos são assim tão secretos. Não concordam?
E quem é “o homem que não é um assassino”?
É isso que vos convido a descobrir à medida que lêem esta fantástico policial.

Adorei a escrita desta dupla de suecos - Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt. Talvez por terem larga experiência a escrever guiões para a televisão e cinema, conseguem escrever com uma clareza fenomenal, integrando o leitor em cada cena, como se esta se estivesse a desenrolar à nossa frente. E o final, é surpreendente – algo que considero sempre muito importante neste género de livros. A resposta esteve sempre ali à minha frente e não cheguei lá. Muitíssimo bom!

0 comentários:

Diane Chamberlain... já conhece esta autora?

Sveva Casati Modignani

Paulo Coelho está de volta!

Jojo Moyes - novo livro!

A não perder...

Novo livro

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Chiado Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2016 Blogger Template (Adapted by Fernanda)