Visita à Biblioteca... e ao passado


Noutro dia fui à Biblioteca Municipal da minha zona porque o meu filho queria ler um determinado livro. - A sério! Imaginem a minha cara de espantada quando o ouvi dizer que tinha de ir à Biblioteca! Bem, enquanto lá estava, tive de me abstrair dos livros que me rodeavam pois, nenhum deles, à exceção do que o meu filho queria ler, podia vir comigo para casa. - A sério! Já viram a minha pilha TBR?! Estou proibida de trazer mais livros para casa enquanto não a diminuir consideravelmente. Comecei então a recordar a minha Biblioteca. Não a que tenho em casa, mas a que foi a biblioteca da minha infância e adolescência: a Biblioteca Municipal de Belém.

Sabem que ainda me lembro do meu número de leitor? Era o 6180! E é com muita saudade que me lembro das horas que lá passava quando era miúda, à procura de livros para ler, e mais tarde, já adolescente, a estudar, consultando a internet de antigamente = as grandes enciclopédias.

Em relação aos livros que levava para ler em casa - nem todos podiam sair da biblioteca - lembro-me que só podia levar três de cada vez e que eu achava sempre que eram poucos, pois sabia que o primeiro, muito provavelmente, estaria despachado no dia seguinte. O que vale é que a biblioteca era a 50 mt da minha casa, pelo que voltar lá não era assim um grande problema. 

Eu adorava procurar livros para ler... Eles não estavam acessíveis, como hoje em dia. A grande maioria dos livros, para aí 95%, estavam guardados em arquivo só acessível aos bibliotecários. Existiam uns três ou quatro armários de arquivo enormes, exatamente como os da foto, com gavetões compridos e estreitos onde cada livro tinha uma ficha individual manuscrita, com os seus dados (autor, tradutor, editora, sinopse, localização, etc). Era por aí que escolhia os livros que queria ler, apontava o seu número num papel e entregava ao bibliotecário de serviço para os ir buscar. Às vezes os livros que eles traziam não era exatamente o que eu estava à espera e lá regressava aos arquivos para escolher outros.

São estes velhos tempos de menina, em que os livros já ocupavam um lugar importante na minha vida. :)


💜 Sobre a Biblioteca Municipal de Belém: 💜
Encontra-se instalada em parte do Palácio Angeja, um edifício setecentista situado na Rua da Junqueira, em Belém, Lisboa. 
Mandado construir por D. Pedro José de Noronha após o devastador terramoto de 1755, o Palácio passou por diversas fases, após ter servido de lar para os Marqueses de Angeja, foi convertido em prédio de rendimento em 1910 (destacando-se Almeida Garrett entre os moradores que albergou) e, posteriormente, num colégio reservado aos familiares de pescadores da frota bacalhoeira. 
Em 1962 foi finalmente adquirido pela Câmara Municipal de Lisboa, que o transformou em Biblioteca, inaugurada a 11 de junho de 1965, e mantendo-se aberta ao público até aos dias de hoje.


0 comentários:

Este livro traumatizou-me! Mas estou à espera do segundo. ;)

Um livro maravilhoso, cujas personagens me marcaram.

Um livro fora de série! Fenomenal. :)

Um livro magistral! Para mim, o melhor de 2017!

Uma leitura magnífica.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Marcador

Visualizações de página na última semana

Copyright © 2005-2017 Blogger Template (Adapted by Fernanda Carvalho)