"Filhos à Venda" de Kristina McMorris (Opinião)

A meu ver, as expetativas são normalmente o grande inimigo de qualquer um livro. Ainda recentemente, falei com uma amiga que leu o “Recomeçar“ de Maria Dueñas como primeiro livro da autora, e que o adorou, coisa que já não aconteceu comigo. Como tinha lido (e adorado!) o “Tempo Entre Costuras” esse segundo livro da autora soube-me a pouco. Por essa razão tento não ler sinopses e opiniões sobre um livro, antes de o ler.

Mas no caso deste livro de que agora vos escrevo, "Filhos à Venda", aconteceu-me exatamente o oposto do exemplo que dei acima. Li de passagem o comentário de alguém que leu o livro e ficou desiludido. Percebi então que o título havia levado essa leitora ao engano. Parti então para a leitura do “Filhos à Venda” sem expetativas, pronta a ser surpreendida. E não é que resultou?

Assim sendo, aqui fica a minha opinião sobre este livro. Atenção que o próximo parágrafo pode conter alguns spoilers! O que acho que neste livro até é bom. Podem confiar.

A história centra-se na vida de um jornalista que está a tentar vingar no ramo nos Estados Unidos da América, no inicio dos anos 30, em plena época de recessão económica, marcada por altas taxas de desemprego, muita miséria e fome. Numa viagem pelo campo, depara-se com uma cena inimaginável - uma mãe a vender os filhos por não os poder alimentar. Decide tirar uma fotografia, só para o seu arquivo pessoal. No entanto, por portas e travessas, a foto chega às mãos do chefe de redação que o insta a escrever uma peça para acompanhar a foto. É a sua primeira grande oportunidade e Ellis Reed decide agarrá-la com as duas mãos. O problema é que o negativo da fotografia ficou danificado, e ele não tem outra opção a não ser tentar tirar nova foto às crianças. Só que ao regressar ao local descobre que aquela família já não mora ali. Decide então abordar uma família vizinha e tirar nova fotografia indo buscar a placa do anúncio à casa vazia e recriando a cena. O acontece posteriormente é que não vos conto. Apenas acrescento que o repórter vai tentar remediar os danos que incautamente provocou, e com isso acaba igualmente por encontrar a sua própria felicidade e salvação.


Esta foto, meus amigos, é verdadeira. E foi inspirada nela que a autora escreveu esta história.
Não fiquei grande fã da escrita da autora. Não sei se foi da revisão, da tradução, ou se dela própria, mas por vezes pareceu-me demasiado ansiosa. No entanto, lê-se bem e acabei por gostar muito do livro. A história está muito bem imaginada e as personagens são credíveis e estão muitíssimo bem enquadradas na realidade sócio-económica da época.

Acho que muitas vezes somos influenciados para adquirir um livro pela capa ou pelo título, ou pelos dois, mas é preciso ter cuidado, pois, tal como diz o ditado “as aparências iludem” ou “don’t judge a book by its cover”. No caso deste livro, garanto-vos que apesar da história não ser o que poderiam pensar por causa do título, é uma história muitíssimo boa, provavelmente muito menos lamechas do que seria, e mais abrangente. Adorei.

0 comentários:

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Será o final de Chocolate? Tire as suas dúvidas.

Provavelmente o melhor livro do ano!

Um excelente thriller!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

Uma leitura magnífica.

Tirem as dúvidas. E riam-se com a loucura de Alvie Knightly!

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)