"Levaram Annie Thorne" de C. J. Tudor (OPINIÃO)

Sugestão: antes de ler esta opinião, comece por carregar no play da música abaixo.



Sinto que por vezes a leitura de um determinado livro deveria ser acompanhada por um ambiente a condizer. Neste caso, aconselho-vos a escolher um local sossegado da vossa casa, e à noite, bem sentados num sofá ou numa poltrona, coloquem a música que partilho. A sério! Experimentem só ler a sinopse do livro ao som daquilo. Já o fizeram? Pois foi exatamente assim que me senti ao ler “Levaram Annie Thorne”, o novo livro de C. J. Tudor.

Recuperando um pouco o estilo do primeiro livro, aqui também a história nos é contada na primeira pessoa por Joe Thorne. Joe é o verdadeiro anti-herói, e se acabaram por gostar de Eddie (em O Homem de Giz), Joe Thorne já não é tão “apetecível” quanto ele. Joe é alguém que vive condicionado pelo passado, um homem-sombra do que foi ou do que poderia ter sido, alguém que parece ter desistido da vida. Bem, Joe está de regresso à sua cidade natal, Arnhill em Nottinghamshire, pois recebeu um email que lhe suscitou curiosidade.

SEI O QUE ACONTECEU À SUA IRMÃ. ESTÁ A ACONTECER DE NOVO.

Joe embarca então nesta aventura, regressando a Arnhill como professor substituto num colégio local. Embora as coisas não lhe sejam favoráveis, Joe vai rumando contra a maré para tentar entender o que o presente tem a ver com o passado, e acima de tudo, descobrir os responsáveis.

Abordando alguns temas interessantes como o bullying, os problemas que advêm de certos vícios, como o jogo ou a droga, a desertificação do interior outrora industrial, e até a corrupção do governo local, C.J. Tudor acaba por nos levar a refletir um pouco sobre a realidade dos nossos dias, à medida nos vai contando uma história de terror, muito ao género de Stephen King.

Para mim, um bom thriller tem de me espicaçar a curiosidade, fazer-me trazer ao de cima a detetive que há em mim, e C. J. Tudor consegue-o. Os seus livros fazem-me lembrar um pouco os thrillers clássicos, não só pelo seu estilo de escrita como também pelos pormenores que ela incorpora na história. Agradou-me principalmente a inclusão do elemento sobrenatural. Foi mesmo a cereja no topo do bolo - podre e decadente, como se quer neste caso. 😉 Gostei. Acho que os que ficaram fãs de O Homem de Giz irão deliciar-se com este novo livro de C. J. Tudor.


0 comentários:

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

ALGUNS DOS TÍTULOS QUE MAIS ME AGRADARAM NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Um dos melhores do ano!

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva

Os Testamentos - a sequela de A História de uma Serva
Leu o livro? Viu a série? O que espera para ler a sequela? Um final surpreendente para Gilead, e uma obra incrível vencedora bem merecida do Booker Prize.

Uma leitura obrigatória!

Uma leitura obrigatória!
“Moyes dá vida a um pedaço da história muitas vezes esquecido. (…) Uma carta de amor ao poder dos livros e da amizade.” Kirkus Review

Uma leitura imprescindível!

Leia o livro e depois veja o filme. Uma história verídica a não perder.

O clube de leitura do meu coração.

 

ASA

Quinta Essência

Planeta

Porto Editora

Bertrand

Lua de Papel

Cultura Editora

Oficina do Livro

Editorial Presença

Jacarandá

D. Quixote

Marcador

Clube do Autor

Livros d'Hoje

Casa das Letras

Suma de Letras

Vogais

Saída de Emergência

Círculo de Leitores

Esfera dos Livros

TopSeller

Objetiva

Visualizações de página na última semana

Copyright 2005-2019 Blogger Template Ipietoon (Adaptado por Fernanda Carvalho - a escrever sobre livros desde 2005)